quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

O Que os Mormons sabem sobre Bem-Estar - artigo publicado no The Wall Street Journal

FEBRUARY 18, 2012

What the Mormons Know About Welfare

Mitt Romney has raised the issue of the social safety net. Washington could learn from the lesson of his church.

By NAOMI SCHAEFER RILEY

Salt Lake City
Ever since Mitt Romney said he was "not concerned about the very poor" but would fix America's social safety net "if it needs repair," conservatives and liberals have been frantically making suggestions. Gov. Romney says he would consider options like restructuring Medicaid. But if he wants to see a welfare system that lets almost no one fall through the cracks while at the same time ensuring that its beneficiaries don't become lifelong dependents, he could look to his own church.
As I ride in a golf cart through a new 15-acre warehouse on the outskirts of Utah's capital, I can't help but wonder: How many Wal-Marts would fit in here? How many burgers can you make from 4,400 industrial pallets of frozen meat? And how do they keep this place cleaner than my kitchen floor?
Dedicated last month, the Bishops Central Storehouse contains a two-year supply of food to support the Mormon church's welfare system in the U.S. and Canada (primarily for church members in need) and its humanitarian program, which sends food, medical supplies and other necessities to the needy (of all faiths) world-wide.
In addition to goods from canned peaches to emergency generators, the facility also houses the church's own trucking company, complete with 43 tractors and 98 trailers, as well as a one-year supply of fuel, parts and tires for the vehicles. Just in case.
The storehouse is not only a kind of physical marvel—it has been built to withstand an earthquake with a magnitude as high as 7.5—but also a symbol of strength and self-sufficiency.
Launched during the Great Depression, the Mormon welfare system was designed by church leaders as a way to match the armies of the unemployed faithful with some of the nearby farms that needed temporary labor. As storehouse manager Richard Humpherys explains, goods and services were traded so that if a father needed food for his family he could get some in exchange for, say, repairing the fence of a widow down the road.


In 1936, Heber Grant, one of the church leaders, reported the reasoning behind this effort: "Our primary purpose was to set up insofar as it might be possible, a system under which the curse of idleness would be done away with, the evils of a dole abolished and independence, industry, thrift and self respect be once more established among our people. The aim of the Church is help the people to help themselves. Work is to be re-enthroned as the ruling principle of the lives of our Church membership."


Over the ensuing decades, the church acquired farms and ranches of its own. It built grain silos and dairies and canneries to store and process the food. By the end of World War II, church leaders had enough in the way of reserves that they contacted President Truman to ask if they might assist in feeding and clothing the destitute across Europe. The president readily agreed.


Because it has members on the ground around the world, the church continues to be an important force in bringing food and supplies to the impoverished and victims of natural disasters. Local church leaders contact the central headquarters in Salt Lake City to tell them what is needed—gauze pads, school supplies, wheelchairs—and the church does its best to accommodate.


The Department of Defense recently visited the new storehouse to find out how the Mormons are able to mobilize so quickly, and there is an almost military sense of efficiency and strategy to the church's efforts. When Hurricane Katrina struck, for instance, the church had positioned its fully loaded trucks in a kind of semicircle from South Carolina to Texas because no one knew how the storm was going to move. The church used reserves of fuel that it has placed around the country, and drivers were able to bring full tanker trucks into New Orleans, powering rescue vehicles and even chain saws to remove tree limbs.


Most of the inventory in the central storehouse, though, goes to supply more than 100 smaller storehouses around the country, plus hundreds of soup kitchens and homeless shelters of other religious communities around North America. Members of the Mormon church who find themselves in difficult circumstances can go to their local bishop and ask for aid.


The bishop then fills out an order allowing them to go and receive food from the local storehouse. Seventy percent of the items on the shelves are produced by the church itself and the remainder are purchased at steep wholesale discounts. According to Rick Foster, who oversees a smaller storehouse in Salt Lake City along with the cannery and dairy at Welfare Square (the original site of all the church's welfare services), people depend on the food at the storehouse for an average of three to six months.


That's because the church's goal is to help them get back on their feet as soon as possible. And the storehouse is only one of the tools at the disposal of local bishops, who may also refer members to other church programs, including employment counseling or family services. The bishop may even use money from a fund at his disposal to help pay for education, housing or utilities.


The labor behind the farming, food production, counseling and even cattle ranching is provided almost entirely by volunteers. Some are retired folks who come in every day. Other times an entire ward, or congregation, will come for the day, each of the members standing on an industrial assembly line packaging bread, processing cheese or sealing jars of apple sauce.


Regular tithing by church members helps pay for the facilities, but the primary source of capital support is the Mormons' monthly fast, as church members are asked to contribute what they would have spent on two meals. Many give much more, says Mr. Foster.


It is safe to assume that Mr. Romney is among them. The tens of millions of dollars he has given the church over the years have raised suspicion in some quarters. What does the church do with all that cash? Wouldn't that money have been better spent paying a higher income-tax rate? But his donations are supporting the kind of safety net that government can never hope to create. Jesus may have said the poor will always be with you, but he didn't say Medicaid would.
Ms. Riley, a former Journal editor, writes frequently about religion.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Por que não a farinha de trigo??

Quando estávamos escolhendo os itens que iriam compor o primeiro kit da BEEREADY é claro que pensamos na farinha de trigo. Ela é uma das bases da alimentação do brasileiro. Particularmente adoro um pãozinho quentinho saído do forno, uma pizza numa massa gostosa. Da pra fazer tudo com farinha!!! Na hora do aperto, se misturar a farinha com ovo em pó, açúcar e acrescentar uma pitada de sal e água....pronto....tá feita uma panqueca... que fica uma delicia com um pouco de açúcar em cima!!!

Mas nem sempre as coisas são como queremos. Tomamos um balde de água fria!
O problema é que todos os grãos tem óleos em sua composição. Pra fazer a farinha de trigo o grão é moído e peneirado até chegar naquilo que a gente compra no mercado. Durante a moedura dos grãos, os óleos são liberados e entram em contato com o oxigênio. Se armazenarmos a farinha por muito tempo esses óleos passam por oxidação e a farinha fica rança, com um certo amargo no fundo... um sabor ruim... coisa que não é legal.

Mas o trigo é maravilhoso. Muito saboroso e rico em nutrientes, além de ser excelente fonte de energia! Então não deixamos o trigo de fora... colocamos ele inteiro mesmo! Hoje em dia existem no mercado moinhos portáteis, alguns manuais e outros elétricos, que dá pra fazer a farinha integral em casa. Também dá pra usar o grão inteiro pra saladas, risotos...etc.

Outro ítem que vai no kit é a batata em flocos, que é um excelente substituto para a farinha de trigo, e dá pra fazer de tudo!!!!Pães, nhoque, massas em geral...

Vamos em breve colocar algumas receitas aqui na nossa cozinha!!!!

A Embalagem Ideal para seu Armazenamento

Vamos conversar um pouco sobre a embalagem ideal para armazenar alimentos secos, como grãos, massas, pós e etc.

Existem várias opções de recipientes onde os alimentos podem ser armazenados, como por exemplo, as garrafas PET, outros recipientes plásticos, latas, vidros e....., o meu favorito, envelopes de alumínio.

Depois de pesquisar bastante, e considerando todos os fatores que coloquei no post anterior ("Como proteger seu armazenamento"), cheguei à conclusão que a melhor embalagem para os alimentos secos é, de fato, o envelope de alumínio. Aliás, se você olhar atentamente na próxima ida ao supermercado, vai observar que muitos alimentos, tanto secos como molhados, estão sendo colocados em embalagens aluminizadas (pouches), alguns inclusive, já vem a vácuo, como é o caso do café. E por que isso? Bem, porque a indústria alimentícia já descobriu que existem muitas vantagens, principalmente econômicas, para usar essa embalagem. Mas vamos falar sobre as vantagens do envelope de alumínio em nosso armazenamento:

1 - Oferecem as principais barreiras para prolongar a vida útil (shelf-life) do produto: no meu último post falei sobre essas barreiras importantes - luz, umidade, insetos e oxigênio.

2 - Não enferrujam: em climas úmidos, como é o caso do Brasil, as latas de baixa qualidade apresentam esse problema muito rapidamente. Quando a lata é de alta qualidade, esse problema não existe. Como não temos controle da qualidade da lata que compramos no supermercado, eu pessoalmente tenho muito medo de servir alimento para minha família quando a lata está enferrujada. Normalmente acabo jogando fora, com muita dor no coração por esse desperdício, mas com comida, prefiro nunca arriscar.

3 - Ocupam menos espaço: acho que um dos grandes desafios (ou desculpas) para não se fazer um armazenamento de longo prazo é porque normalmente não sabemos onde colocá-lo. Os envelopes de alumínio podem ser empilhados e podem ser "encaixados" nos lugares mais exóticos da sua casa, como por exemplo, dentro do box da cama de sua filha (como é o meu caso). Já não dá pra fazer isso com latas, vidros ou garrafas PET.

3 - Podem ser reaproveitados: depois de esvaziados, eles podem ser lavados e devem ser guardados muito secos. Como todo material reaproveitável, a natureza agradece.

4- Armazenam mais alimentos do que as latas e as garrafas PET: isso é uma grande vantagem na hora de considerar o espaço que você tem disponível para guardar seu alimento. As garrafas PET, além de não protegerem o alimento da luz, o que causa perda nas propriedades nutricionais do alimento, ocupam muito espaço no armário e você vai precisar de mais garrafas, vidros, ou seja lá o que for, para armazenar a mesma quantidade de alimento que um envelope de alumínio é capaz de guardar.

5- São mais baratas: por incrível que pareça, os envelopes de alumínio são mais baratos do que qualquer outro recipiente. Talvez ele concorra um pouco com as garrafas PET, se você conseguir juntar as garrafas sem ter que comprar e tomar o refrigerante primeiro (o que não recomendo, se estiver tentando emagrecer).

Confesso que quebrei muito minha cabeça até chegar à conclusão que deveria usar os envelopes de alumínio em meu armazenamento, mas agora me sinto completamente segura com essa embalagem e recomendo tranquilamente. Se você ainda tiver alguma dúvida, pode me mandar uma mensagem, que terei imenso prazer em responder.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Protegendo seu Armazenamento Doméstico

Todos os alimentos contêm bactéria, esporos e ovos de insetos. No ambiente ideal, esses microorganismos crescerão e destruirão o alimento. Ambientes quentes e úmidos propiciam grandemente o crescimento desses agentes.

Se os produtos não forem armazenados apropriadamente, absorverão a umidade do ar. Quando a umidade alcança 12% a 18%, o processo de deteriorização será acelerado.

O calor é outra causa para a deteriorização da qualidade dos alimentos.

As seguintes dicas ajudarão você e sua família a proteger seu armazenamento:

Calor:
Armazene todos os produtos longe da luz do sol e fontes de calor, tais como, aquecedore, secadoras de roupa, lareiras, etc. O alimento fica mais protegido em locais secos e escuros.

Umidade:
Coloque os produtos em prateleiras ou plataformas, e nunca em contato direto com o chão ou paredes.

Roedores e insetos:
Verifique se o local onde mantem seu armazenamento está bem protegido, dedetizado e livre de roedores.

Rotacionar:
Para obter melhores resultados nutricionais, faça a rotação periódica dos itens armazenados.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A Sabedoria do Armazenamento Doméstico

(artigo traduzido do site wwww.beprepared.com)

A América é a terra da abundância; um lugar de segurança e abrigo para seus habitantes. Será que algum dia realmente precisaremos usar um armazenamento doméstico?  Essa é uma pergunta para se pensar. Pesquisas mostram que um lar americano médio tem menos do que uma semana de suprimento de comida. Esse é também o caso dos supermercados americanos. Sem querer ser paranóico ou entrar em pânico, existem muitas razões válidas para se ter alimento armazenado. De alguma forma, todos estamos vulneráveis a eventos fora de nosso controle. Mas a maior parte das situações estão dentro de casa: falta de energia elétrica, interrupções inesperadas do dia-a-dia, tais como desemprego, entrada de dinheiro por problemas de saúde ou doença; ou até mesmo um aumento de despesas por causa de acidentes. O Armazenamento Doméstico é uma forma de seguro para proteger sua família do inesperado.

Um Sábio Investimento
O Armazenamento Doméstico torna-se um investimento sábio para a estabilidade futura e um investimento mais sábio ainda se você armazena o que usa e usa o que armazena. Você manterá esse investimento ao fazer do armazenamento doméstico um estilo de vida. O Armazenamento Doméstico que combina com o estilo de vida de sua família é o que contém os produtos que serão usados. Usar e rotacionar seus alimentos regularmente mantêm o investimento original e evita o desperdício.

O Básico
Recomenda-se que a família inicie seu programa de armazenamento doméstico com produtos básicos. Os grãos, legumes, leite em pó desnatado, açúcar, sal, óleo e sementes ficaram conhecidos como elementos “básicos”. Não subestime o poder desses alimentos, pois tem sido demonstrado através da história que eles mantêm a vida. É importante saber como preparar e usar os básicos, especialmente formas que agradarão sua família. Se você tem familiaridade com o alimento que tem armazenado, estará mais preparado para usá-lo durante as emergências.
O armazenamento básico varia entre 1100 a 1800 calorias diárias. Se uma pessoa possui um ano de trigo, mais 1374 calorias diárias são adicionadas.

Confiança e Segurança
O armazenamento doméstico lhe dará um grau maior de confiança e segurança. É importante se esforçar para fazer o melhor para que sua família tenha alimento a despeito do que acontecer com a economia nacional ou seu emprego em particular. Essa confiança em tempos de crise podem ser o bem mais precioso. Um armazenamento doméstico adequado para sua família é uma parte muito importante de sua segurança financeira, e possivelmente uma chave para a sobrevivência.

Autosuficiência e Independência
O armazenamento doméstico o ajuda a ser autosuficiente no caso dos três primeiros dias de uma emergência, bem como alimentará sua família se você perder seu emprego. Também o ajudará a ser interdependente de outras pessoas quando precisar compartilhar durante uma crise. Com o armazenamento doméstico você estará mais preparado para os momentos de adversidade sem ficar dependente do governo ou outras pessoas. A autosuficiência normalmente faz parte do desejo de trabalhar. O trabalho pode ser uma fonte de alegria e auto-estima, bem como prosperidade. Armazenar, usar, saber como produzir e preparar alimento e outros itens essenciais à vida traz segurança e estabilidade para você e sua família. Se acontecer um desastre, e você for forçado temporariamente a mudar seu estilo de vida normal, você poderá fazer isso com um mínimo de desconforto.

Organizações de Ajuda Humanitária
Algumas pessoas são apáticas no que diz respeito à preparação, normalmente porque não sabem o que fazer ou como começar. Sentem-se sobrecarregados com a perspectiva de uma crise e com a responsabilidade de autosuficiência, sentindo-se desencorajados antes mesmo de começar. Outras ficam frustradas com conselhos contraditórios e não tem certeza de quais idéias devem seguir. Outros ainda não fazem nada, imaginando que no caso de problemas, uma organização de ajuda humanitária correrá em seu socorro. Um conceito errado que deve ser refutado é que o governo virá imediatamente prover ajuda. As organizações federais e estaduais prestam grandes serviços, mas quando uma grande população está contanto somente com a ajuda dessas organizações, é virtualmente impossível prover as necessidades específicas de cada pessoa.
O Federal Emergency Management Agency (FEMA) adverte, “Se um desastre ameaça sua comunidade, o governo local e as organizações de ajuda tentarão ajudar. Mas você precisa estar preparado. Os oficiais locais podem ficar sobrecarregados depois de um grande desastre, e as equipes de resgate podem não ser capazes de ajudar imediatamente. O que você faz para estar preparado pode fazer toda a diferença”.
A maioria das organizações de ajuda humanitária levará aproximadamente três dias (72 horas) para estarem preparados para ajudá-lo. Um kit de emergência é um grande passo para a direção correta. Ao fazer sua parte tendo alimento, água e suprimentos para três dias, a pressão sobre as agências de socorro será aliviada e seu desconforto minimizado.
Estar preparado é um dever de todos. Não somente as agências governamentais, mas todos os setores da sociedade – provedores de serviços, empresários, grupos cívicos, grupos de voluntários, associações industriais e associações comunitárias, bem como cada cidadão – deveria se planejar antecipadamente para desastres.

É sábio estar preparado para o inesperado. Você se sente confiante sabendo que sua família está bem preparada e segura. As famílias que estão preparadas podem reduzir o medo, as inconveniências e as perdas que fazem parte das crises familiares ou de um desastre natural.